Category Archives: Linux

MongoDB 3.2 no Fedora 23 e 24

Recentemente precisei instalar o MongoDB 3.2 no Fedora 23 e 24 para um artigo que estou escrevendo para uma revista. Porém nos repositórios do Fedora a última versão disponível é a 3.0, e eu preciso da 3.2 para testar as novas funcionalidades de validação de documentos.

mongo-vs-fedora

Verificando na documentação do MongoDB, só encontrei as informações para instalar no Red Hat Linux. E apesar deles dizerem que as mesmas instruções servem para o Fedora, elas não servem, pelo menos não sem um pequeno ajuste que não é citado em nenhum lugar.

Os passos para instalar o MongoDB 3.2 no Fedora 23 e 24 são os seguintes:

1 – Criar o arquivo do repositório do MongoDB em /etc/yum.repos.d/mongodb-org-3.2.repo com o seguinte conteúdo (já ajustado para o Fedora):

[mongodb-org-3.2]
name=MongoDB Repository
baseurl=https://repo.mongodb.org/yum/redhat/7/mongodb-org/3.2/x86_64/
gpgcheck=1
enabled=1
gpgkey=https://www.mongodb.org/static/pgp/server-3.2.asc

Este é o mesmo conteúdo presente na documentação do MongoDB, com a baseurl alterada para forçar ao utilizar a versão para Red Hat 7 (baseurl=https://repo.mongodb.org/yum/redhat/7/mongodb-org/3.2/x86_64/) . Essa alteração é necessária porque o repositório foi criado para o Red Hat Linux e não para o Fedora.

2 – Instalar o mongodb-org com o dnf:

sudo dnf install -y mongodb-org

Feito isso, é necessário configurar e rodar o serviço. Mas isso já é assunto para um outro post. 😉

Share Button

Linux 64 bits

Após várias tentativas e desistências em utilizar uma distribuição de Linux 64 bits, finalmente, agora estou rodando o Fedora 16 64 bits no notebook Dell XPS 15.

As diversas desistências foram por falta de suporte das ferramentas que utilizo para trabalhar. E pela complexidade em manter um sistema híbrido 64 bits com bibliotecas 32 bits, o que tornava o sistema muito instável.

As primeiras tentativas em um notebook Acer Aspire 64 bits foram com o Slamd 64, uma variação do Slackware 12 32 bits, já que este não possuía versão nativa para 64 bits.

Algum tempo depois, tentei utilizar o Ubuntu 8.04 64 bits no notebook Dell Inspiron 1525, utilizando inclusive pacotes que teoricamente facilitariam a vida de quem optasse por 64 bits.

Desta vez estava na dúvida entre instalar o Ubuntu 11.10 e o Fedora 16, ambos nas versões 64 bits. Mas como já vinha utilizando o Ubuntu a muito tempo, resolvi sair da zona de conforto e tentar algo novo, optando pelo Fedora 16.

Instalação

A instalação é muito simples, como qualquer distribuição de Linux moderna. Até mesmo o particionamento de disco do Fedora é bem simples e pode ser utilizada sem problemas a sugestão padrão, que separa a partição para swap, boot, sistema e home.

O único problema encontrado na instalação, foi no primeiro boot do sistema. Ao tentar iniciar o boot-loader Grub não era encontrado. A solução foi alterar a ordem de boot no bios, deixando o disco rígido como primeira opção de boot, o que não é um grande transtorno. Mas não encontrei esta informação em nenhum lugar, então perdi algumas horas tentando solucionar este problema.

Conclusões

Demorei a aderir ao 64 bits, mesmo tendo maquinas nesta plataforma a um bom tempo. Mas agora que estou trabalhando e estudando com 64 bits sem nenhum problema de compatibilidade de programas ou bibliotecas, não penso em voltar para plataforma 32 bits. Afinal de que adianta ter um hardware moderno se os software ainda estão no passado?

 

Share Button

Ubuntu 11.04 vs. Dell Inspiron 1525

Finalmente instalei o Ubuntu 11.04 no Dell Inspiron 1525. Não pretendo escrever um passo a passo da instalação pois devem haver milhares de blogs e forums com estas informações mais que completas, com telas, vídeos e muito mais. Somente irei listar os problemas que encontrei e mostrar o caminho das pedras para solucionar-los.

Instalação

Como já havia postado anteriormente aqui utilizo 3 partições para garantir a integridade de dados importantes, e organizar um pouco as coisas. Desta vez instalei com o notebook conectado a internet pelo famoso cabo azul. Tudo certo até aqui, ou seja, Ubuntu 11.04 instalado sem problemas. Até tentar utilizar o wireless e ver que a luz do “wifi” não acendia.

Post Install

O primeiro passo foi restabelecer as partições extras /home e /media/backup inserindo as seguintes linhas no arquivo /etc/fstab e reiniciar a maquina.

# /home on /dev/sda3 manually after installation
UUID=<ID_DA_PARTIÇÃO> /home           ext4    rw,nosuid,nodev,uhelper=udisks 0       0
# /media/backup on /dev/sda4 manually after installation
UUID=<ID_DA_PARTIÇÃO> /media/backup   ext4    rw,nosuid,nodev,uhelper=udisks 0       0

Feito isso, chegou a hora de configurar o wireless, que ao contrário da última vez, não foi tão trivial. Depois de vasculhar alguns sites e fóruns e nada funcionar, mesclei algumas soluções encontradas no ubuntuforums.org.

A solução que funcionou para meu caso foi bem simples, mas o pulo do gato (item 3) não estava descrita em lugar nenhum:

  1. Desabilitar o driver Broadcom STA em Additional Drivers.
  2. Instalar o pacote firmware-b43-install e suas dependências utilizando o Synaptic Package Manager.
  3. Comentar todas linhas do arquivo /etc/modprobe.d/broadcom-sta-common.conf com o Terminal VIM, ou outro editor de textos simples.

Após reiniciar a maquina a luz do wifi acendeu e a rede wireless conectou sem problemas e sem quedas de velocidade!

Impressões

  • A retirada do menu principal e inserção deste painel lateral ainda está me confundindo um pouco. O que achei pior é lembrar o nome de todos programas para utiliza-los.
  • A utilização do perfil de usuário do Ubuntu 10.10, não causou nenhum problema nesta versão. Toda parte visual (tema, painel de parede, proteção de tela, atalhos de teclado, etc) e configurações dos programas foram restabelecidas sem nenhuma dor de cabeça.
  • Os efeitos visuais parecem estarem melhores, mais estáveis e mais leves.

Isso é tudo, ate agora!

 

Share Button